Os adolescentes e a dependência dos telemóveis

Denise C. Rolo

Denise C. Rolo

Dedica-se atualmente à prática de clínica privada com intervenção centrada nas áreas da infância, adolescência e parentalidade.

Pensar a adolescência

Falar sobre adolescência pressupõe, quase num nível inconsciente, assumir esta fase como uma das piores no desenvolvimento da criança. É uma fase que acarreta muitos desafios, contudo, existem quatro pontos que devem ser assimilados antes de qualquer intervenção:

É precisamente sobre este último ponto que deverá incidir a gestão das tecnologias na vida do adolescente: sim, as regras são necessárias. Vivemos uma época em que os telemóveis fazem parte da nossa vida e não há como negar. O papel dos pais na gestão deste cenário é urgente.

Dependência dos telemóveis: um desafio parental

De forma a apoiar os pais no desafio de instruir para uma utilização saudável das tecnologias, analisaremos os seguintes pontos:

  • Distinguir entre necessidades e desejos
  • Adaptar-se às funcionalidades do telemóvel
  • Limitações de uso a considerar
  • Gestão de tempo
  • Estabelecimento de regras específicas
  • Os pais e as vantagens das SMS

Nota importante:

Considerar a compra de um telemóvel para o adolescente não deverá basear-se somente na clássica (e zangada) afirmação: “Todos os meus amigos têm um telemóvel!”

Distinguir entre necessidades e desejos

Considere os seguintes pontos de análise para a compra de um telemóvel:

Segurança

O seu filho tem algum problema de saúde que careça de vigilância regular? Tem de caminhar longos percursos para chegar à escola ou passa muito tempo sem vigilância de um adulto?

Compromissos

Há muita discrepância entre os seus horários e os do seu filho? Atividades que facilmente possam mudar de horário ou de dia?

Tranquilidade

Sentir-se-ia mais tranquilo(a) tendo o seu filho um telemóvel facilitando a proximidade e comunicação?

Adaptar-se às funcionalidades do telemóvel

Considere os potenciais riscos de uso do telemóvel. Podem incluir:

  • Maior fragilidade e exposição a vídeos e fotografias em situações comprometedoras (por exemplo, nos balneários da escola).
  • Publicação de fotografias online.
  • Cyberbullying
  • Acesso a conteúdos adultos.

Limitações de uso a considerar

É importante considerar, inicialmente, um telemóvel sem acesso a internet. Nessa impossibilidade, considerar:

  • Linha «Internet Segura»
  • Restrição de chamadas apenas para pessoas que conhece e sabe fazerem parte do ciclo de amigos do adolescente
  • Reforçar a ideia de não marcar encontros com pessoas que possa, eventualmente, conhecer através do telemóvel.

Gestão de tempo

Preferencialmente um telemóvel com carregamentos mensais a ser gerido pelo adolescente, bem como o uso de aplicações que monitorizam o tempo utilizado no telemóvel.

Estabelecimento de regras específicas

Vejamos algumas regras consideradas essenciais e sem espaço a argumentação:

  • Não emprestar;
  • Os resultados escolares vêm em primeiro lugar;
  • Se ultrapassar o limite de carregamento fica sem acesso ou assumirá as despesas;
  • Não usar o telemóvel quando está numa conversa presencial;
  • Desligar o telemóvel em eventos sociais e familiares;
  • Nunca ter o telemóvel na mesa durante as refeições.

Os pais e as vantagens das SMS

Os adolescentes tendem a sentir mais facilidade para se expressarem através das mensagens escritas. Dominando este tipo de comunicação, os pais podem estreitar a relação com o adolescente estando, na mesma medida, mais próximos e atentos.

Conclusões

É impossível negar a presença dos telemóveis/tecnologias, contudo, é possível monitorizar e acompanhar o seu uso de forma a manter a segurança, física e emocional, dos mais novos.

Lembre-se: os pais serão sempre a melhor firewall dos filhos. Pratique a sua influência.

Partilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

Veja também...

Este website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de utilização. Leia a nossa Política de Privacidade.