Os filhos adolescentes e as “más influências”

Denise C. Rolo

Denise C. Rolo

Dedica-se atualmente à prática de clínica privada com intervenção centrada nas áreas da infância, adolescência e parentalidade.

Será uma “má influência”?

As conhecidas como “más influências” são um dos piores pesadelos dos pais, sobretudo na adolescência, a fase de desenvolvimento em que as amizades assumem uma relevância muito maior.

Para abordar este tema, urge uma questão inicial:

O que é uma má influência?

E em caso afirmativo, o que poderão os pais fazer?

Num primeiro plano...

é importante não tirar conclusões precipitadas, até porque é bom ter diferentes tipos de amigos. A variedade é um contributo valioso para o desenvolvimento da:

  • Tolerância
  • Empatia
  • Aprendizagem de novos hábitos
  • Novas perspectivas
  • Melhores relacionamentos no geral

Então, qual é o segredo?

O “segredo” está em perceber quando os valores e estilos de vida dos amigos são, de facto, imprudentes, auto-destrutivos ou totalmente inapropriados.

A abordagem deste tema incidirá em dois principais pontos de análise, e que são:
  1. Sinais de alarme a uma “má influência”
  2. Estratégias de intervenção na família

Sinais de alarme de uma má influência

Secretismo

O adolescente torna-se menos falador, envolto em segredos e tende a fechar-se mais no quarto. Quando confrontado, tende a esconder o que está a fazer.

Mudanças na aparência

Altera a sua forma de vestir, tende a exigir roupas diferentes e mais caras, muda o seu estilo de forma global e quase repentinamente.

Problemas escolares

Os resultados escolares tendem a piorar, perde o interesse pela escola e evidencia mau comportamento.

Atividades diferentes

Tende a abandonar antigas amizades; tendência a desistir de atividades extra-curriculares que, até então, adorava.

Mudança de temperamento

A integridade do adolescente, a moralidade e os valores familiares são afetados. Assiste-se a uma tendência para um humor mais triste ou deprimido.

Falta de confiança

Os pais podem perceber algumas mentiras no seu discurso; não cumpre as promessas feitas e, muitas vezes, mente sobre o lugar onde se encontra.

Tensão familiar

Tendência para discutir e argumentar negativamente em contexto escolar.

Violência

A escolha de atividades, como os desenhos, a escrita e o vocabulário, centram-se tendencialmente na violência e destruição.

Saiba que...
Os sinais descritos poderão não estar relacionados com as alegadas “más influências”...
É essencial que os pais percebam quantos destes sinais surgiram a partir do momento em que o novo amigo entrou na sua vida.
É igualmente importante que os pais se questionem: será mesmo uma má influência para o meu filho e… não o contrário?
Anterior
Next

Estratégias de intervenção na família

Considerando estarem perante uma “má influência”, os pais poderão considerar as seguintes estratégias:

Olhar mais atento. Se sente diferenças significativas no comportamento, tente confirmar, através da comunicação positiva, as suas suspeitas.

Falar com adultos. Fale com professores, psicólogo da escola ou outros pais que conheçam o novo amigo. Sente que partilham da mesma opinião?

Partilhe. Comunique os seus receios ao adolescente. Um exemplo: “As tuas notas estão a descer, ultimamente não falas com os teus antigos amigos…”

Conheça os pais. Fale com os pais do novo amigo, de forma a apresentar-se. Perceberá se as suas preocupações também são fundamentadas e partilhadas.

Referências bibliográficas:
Borba, M. “The Big Book of Parenting Solutions”, New York: Jossey-Bass, 2009
Sá, E. “Adolescentes somos nós”, Lisboa: Fim de Século Edições, 2002

Partilhe este artigo:

Veja também...

Este website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de utilização. Leia a nossa Política de Privacidade.